SALVE-SE QUEM PUDER MOSSORÓ

SALVE-SE QUEM PUDER MOSSORÓ
SALVE-SE QUEM PUDER MOSSORÓ

César Santos/Defato.com

Ganhou dimensão a repercussão de um vídeo em que mostra uma festa de aniversário de um paciente dentro da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do bairro Belo Horizonte, que é referência de atendimento a pessoas com a Covid-19. As cenas são bizarras sob o ponto de vista sanitário e revelam a total falta de zelo com a vida das pessoas no momento em que a pandemia continua fazendo vítimas em alta escala.

As imagens mostram funcionários da UPA celebrando aniversário dentro da ala onde ficam pacientes da Covid. Um homem de 57 anos recebeu o bolo de aniversário e retirou a máscara de oxigênio para soprar as velas. Em seguida, o bolo é cortado para os familiares e profissionais de saúde. É possível ver outras camas ocupadas por pacientes durante a festa.

O cenário é de alto risco com pessoas aglomeradas, algumas sem usar máscara e sem respeitar os protocolos sanitários. O retrato da banalização que é visto em bares, restaurantes, praias, mas que se apresenta ainda mais grave por se tratar de uma unidade de saúde.

O fato passaria ileso se o vídeo não tivesse nos grupos e redes sociais. A repercussão obrigou a gestão municipal a se posicionar. Uma nota da Secretaria de Saúde de Mossoró diz que os funcionários foram advertidos e que um processo administrativo foi aberto.

O histórico recente mostra que a nota oficial é apenas para esfriar a polêmica e que não deve ter outra repercussão. Lembram-se do furto das doses da vacina contra a Covid-19 na UBS do Belo Horizonte? O fato ocorreu há cerca de dois meses e, até agora, a gestão municipal não deu uma resposta à população.

Aliás, a gestão Allyson Bezerra (Solidariedade) tem sido incompetente no enfrentamento à pandemia. Em janeiro, quando assumiu a Prefeitura, ele suspendeu as atividades na Unidade de Campanha Covid, na UPA do Belo Horizonte; reduziu o número de servidores; desmontou o serviço de drive-thru para testes em massa; além de ter cometido outros erros que afetaram a assistência à população.

A exceção é a campanha de vacinação que avançou em Mossoró, no entanto, isso só está sendo possível porque o Ministério da Saúde, via Governo do RN, está abastecendo o estoque de imunizantes.

Pois bem.

O caso da festa na UPA do Belo Horizonte é, além da extrema irresponsabilidade de quem promoveu, um retrato fiel da forma como a gestão municipal zela pela saúde das pessoas e o desrespeito em momento de grave crise sanitária.

Mossoró sofre.

Compartilhe esta postagem:

Publicidade