Reação dos vereadores na CMM não teria agradado Ministério Público

Reação dos vereadores na CMM não teria agradado Ministério Público
Reação dos vereadores na CMM não teria agradado Ministério Público

O blog apurou uma informação de uma fonte bem postada no Ministério Público em natal de que a reação dos vereadoes sobre a decisão da promotora Patrícia Antunes Martins, recomendando a exoneração das filhas do vereador Raério Cabeção, não foi das melhores.

Segundo a fonte, a tentativa de descredenciar a notificação do Ministério Público e acusar a imprensa de fake news teve reação adversa e não foi bem aceita pelos promotores.

Em 2008, o Ministério Público, foi mais além no combate ao nepotismo na Prefeitura de Mossoró. Naquela época foi solicitado pelo órgão que o município identificasse previamente os casos de nepotismo e procedesse a exoneração antes que o Ministério Público solicitasse, sob pena das sanções legais.

Podemos conceber o conceito de nepotismo como a prática pela qual um agente público usa de sua posição de poder para nomear, contratar ou favorecer um ou mais parentes, sejam por vínculo da consangüinidade ou da afinidade, em violação às garantias constitucionais de impessoalidade administrativa.

Segundo a fonte, a forma atabalhoada como foi feita a defesa do vereador Raério Cabeção pode acirrar os animos e desencadear uma verdadeira devassa nas nomeações de cargos comissionados na Prefeitura de Mossoró, haja vista a enchurrada de denúncias que estão chegando ao órgão.

"Chamou muita atenção o despreparo de alguns vereadores que na ânsia de defender acabaram atestando o crime de nepotismo cruzado", disse.

Nepotismo direto é aquele em que a autoridade nomeia seu próprio parente. Nepotismo cruzado é aquele em que o agente público nomeia pessoa ligada a outro agente público. "Parece que ficou claro que Raério está mal assessorado juridicamente", concluiu.

Compartilhe esta postagem:

Publicidade