A farra das pesquisas falsas no RN e em Mossoró

A farra das pesquisas falsas no RN e em Mossoró
A farra das pesquisas falsas no RN e em Mossoró

Concluída a eleição no Rio Grande do Norte e na assembleia legislativa, o deputado Tomba Farias (PSDB) fez um protesto/denúncia sobre algo que todos perceberam nas eleições do Rui Grande do Norte, sobretudo em Mossoró e que certamente em muitos locais foi decisiva para induzir o eleitorado a mudar a imagem dos atores políticos: apagar avaliações positivas de administrações e realçar aspectos negativos, sem falar em criar uma série de efeitos em cadeia a favor e contra quem o instituto contratado decidia falseando números.

Em Mossoró, o acúmulo do erro foi propalado pelo instituto AgoraSei que cravou que o candidato da coligação PSD/SD Allysson Bezerra venceria as eleições por 21% dos votos válidos e 17% dos votos totais. Isso de maioria. O que se viu nas urnas, no entanto, foi uma vitória por 2,5% dos votos totais e pouco mais de 4% dos votos válidos. Ele não atingiu sequer a metade dos eleitores que escolheram outros candidatos e se Mossoró tivesse mais 23 mil eleitores, a suposta informação de que ele venceria por larguíssima vantagem, não apenas seria desmentida, assim como foi pelas urnas, como também sequer garantiria êxito eleitoral.

E, com essa leitura, haveria um 2º turno entre o companheiro de partido de Kelps Lima e a atual prefeita de Mossoró, com um adendo: devido ao estilo de campanha de Bezerra, que entre outras práticas, pessoas da cúpula campanha utilizaram a ferramenta de reuniões internas em templos e igrejas distribuir impropérios e calúnias sobre a visão religiosa de Isolda e sobre a vida no aspecto mais que pessoal de Claudia e de Isolda, seria certo de que não receberia o apoio das mesmas. Pelo contrário, já havia angariado com esse estilo de campanha total repulsa delas.

Mas as pesquisas falseadas serviram para isto: primeiramente esvaziar as campanhas de Claudia e Isolda bem ao estilo do ditado americano “fake it until make it” (falseie até que isso se torne verdade) e assim aconteceu com pesquisas como a da ‘AgoraSei’ retirando apoios e votos das campanhas de Claudia e de Isolda, aparentemente bem antes de ter havido qualquer queda em ambas para dar a entender ao eleitor que somente o candidato do SD/PSD teria chances de polarizar com Rosalba.

Deu tão certo esta artimanha que o núcleo duro da campanha encabeçado pela direção de uma rádio local, aproveitando-se do distanciamento dos verdadeiros donos da emissora, transformaram-na em horário eleitoral gratuito do deputado Alysson com duração de 24 horas por dia. Isso com sopapos e apupos permanentes em sua oponente na reta final, Rosalba Ciarlini. E aí o truque da pesquisa veio novamente com todo o gás e objetivo claro: inventar distância de 15, 17 ou 21 % na famigerada AgoraSei e aí criar crise e afugentar apoios à campanha de Rosalba, eliminar os vereadores progressistas e ganhar os cerca de 5 a 10% do eleitorado que é influenciando a votar em quem está “certo de ganhar”.

Deu certo, pois uma vez que a primeira leva de pesquisas falsas para atacar as campanhas de Isolda e Cláudia, tinha, inclusive, retirado apoios de empresários ligados a uma emissora de TV que haviam contratado uma pesquisa e mostrando na época um quadro real: a pesquisa da Sensatus. Ocorre que nesse joguete de ganho de apoios, via instrumento dos levantamentos quantitativos, a campanha do deputado conseguiu cancelar a divulgação daquela pesquisa, que chegou a sair em site oficial e retirado com a versão pitoresca de uma “invasão hacker”. E mais: fez sumir de Mossoró outros institutos que já haviam registrado pesquisa como o I2, que chegou a ser contratado por uma outra emissora de rádio e deu um sumiço na reta final.

No decorrer de uma descida da Presidente Dutra apoteótica da maior oponente nesta campanha, adivinhe o que aconteceu burlando até o anúncio de instituto e meio de comunicação que asseverou divulgação de nova pesquisa para o sábado? A campanha de Alisson já saía divulgando os resultados da pesquisa do dia seguinte. Até hoje não se sabe o que saía primeiro: se a militância do candidato com números na mão para angariar adesões, apoios de candidatos a vereadores e doações pecuniárias ou efetivamente a notícia.

No sábado, um dia antes da eleição, mais uma: pela primeira vez em quatro anos, o jornal AgoraRN possuía centenas de pessoas no centro de Mossoró e distribuía gratuitamente sua edição dando vitória do deputado por cerca de 20% dos votos válidos. Não vamos entrar nem no ponto do dia da eleição e o que foi visto e registrado junto à justiça eleitoral em locais de votação. Fica a dúvida agora se o Ministério Público Eleitoral, Justiça eleitoral, TRE’s e TSE vão fazer algo para investigar esse suposto esquema de fraude e indução supostamente criado por institutos de pesquisa e seus criadores/parceiros.

Na denúncia de Tomba Farias, que foi vitorioso em sua cidade natal, Santa Cruz (RN), e em várias bases políticas, citou a pesquisa que saiu no Blog do BG, dando vantagem de mais de 20% em Afonso Bezerra a um candidato que terminou recebendo este empurrão arrebatador e decisivo para obter êxito por míseros 2% de vantagem. Qualquer semelhança com a capital do oeste pode ser, ou não, mera coincidência...

http://www.edilsondamasceno.com.br/2020/11/a-farra-das-pesquisas-falsas-no-rn-e-em.html

Compartilhe esta postagem:

Publicidade